Saúde

Lance Notícias | 06/10/2023 18:10

06/10/2023 18:10

14813 visualizações

Saiba mais sobre as doenças que mais acometem as mulheres: Câncer de mama e Câncer de colo de útero

Saiba mais sobre as doenças que mais acometem as mulheres: Câncer de mama e Câncer de colo de útero

Outubro chega e com ele uma das maiores campanhas universais, o “outubro rosa”, essa que tem por objetivo a conscientização e busca de prevenção das mulheres quanto ao câncer de mama.

Com isso, além do foco principal da campanha que é falar sobre o câncer de mama, junto das informações surge o câncer de colo de útero, este que, segue sendo a doença com um dos maiores índices de mortalidade no Brasil.

Procurando explanar conhecimento à população, o Grupo Lance Notícias esclarece as diferenças entre o câncer de mama e o câncer de colo de útero.

Câncer de mama

Devido as alterações genéticas nas células mamárias, estes sofrem um crescimento anormal, apresentando vermelhidões, curvaturas e retrações nas mamas, também, pode expor secreções. Se diagnosticado precocemente e iniciado um tratamento específico, haverá grandes chances de cura.

No Brasil, estimam-se que mais de 70 mil casos novos de câncer de mama serão registrados em 2023.

Alguns fatores de riscos, além do histórico familiar, devem ser considerados, como:

– Excesso de peso;

– Ingestão de álcool contraindicado;

– Uso precoce de pílulas anticoncepcionais;

– Menarca precoce;

– Terapia de reposição hormonal, pós menopausa.

Neste âmbito, uma doença em que o enfoque maior é para as mulheres, as instituições científicas alertam sobre o câncer de mama em homens, por este motivo, a atenção é para toda população (Fundação do Câncer, 2023).

Câncer de colo do útero

Também conhecido como cervical, o câncer de colo do útero é originado da infecção genital persistente pelo Papilomavírus Humano (HPV), transmitido em relações sexuais sem proteção. Na maioria das vezes, a infecção pelo HPV não causa câncer. Em alguns casos, no entanto, podem ocorrer alterações celulares que acabam desencadeando a doença ao longo de anos.

O número de casos novos de câncer do colo do útero, esperados para o Brasil em 2023, será mais de 17 mil.

Desde 2014 a rede pública (SUS) disponibilizou a vacina contra o HPV para meninas de 11 a 13 anos; para os meninos, desde 2017.

O vírus é responsável por 95% dos casos de câncer de colo do útero no Brasil. A vacina previne contra quatro tipos do HPV (6, 11, 16 e 18) e deve ser aplicada em três doses, respeitando o calendário vacinal. Os tipos 16 e 18 respondem por 70% dos casos da doença.

O início precoce da atividade sexual e a variedade de parceiros são alguns dos principais fatores de risco. Deve-se evitar o tabagismo e o uso prolongado de pílulas anticoncepcionais. O uso de camisinha protege, parcialmente, o contágio, que pode ocorrer por meio do contato com a pele da vulva, regiões perineal, perianal e bolsa escrotal.

Para um diagnóstico precoce e um futuro tratamento de qualidade, a busca deve iniciar na realização do exame preventivo (o conhecido Papanicolau), onde as células colhidas irão para analise clínica.

Conectar você à informação e à saúde, é o nosso Lance!

Deixe seu comentário