Menu Lange
Menu Direita

Diário da Pandemia – 779º dia:

Diário da Pandemia | Diário da Pandemia | 08/05/2022 15:57
Diário da Pandemia – 779º dia:
Compartilhar no Whatsapp
Visualizações: 694

Chegamos a uma das datas mais importantes do ano: o Dia das Mães. Muito mais que comércio, com a compra de presentes, é um momento de enaltecermos nossas progenitoras, que, além de nos proporcionarem a vida, cuidaram de nós, para que crescêssemos saudáveis e nos tornássemos bons cidadãos. Então, um viva a todas elas, desejando longa vida a nossas incríveis mamães! E, ao mesmo tempo, nos preparemos para mais uma boa semana, recheada de novos desafios!

Em nossa curta existência no planeta Terra, defrontamo-nos com toda a sorte de bons acontecimentos e dificuldades. Quem não passa por isso? Então, diante disso, devemos pensar que o que fazemos “não é o ideal, mas é o possível”.

Sim, não é o ideal, mas é o possível diante das circunstâncias que se impõe. Claro que nosso objetivo sempre é, sem dúvidas, fazer o ideal, porém, em muitas situações, só conseguimos atingir, realmente, o possível. Não é verdade?

Senão vejamos: “ah, eu gostaria de um carro superpotente, confortável, espaçoso. Mas meu dinheiro só permite comprar esse popular, bem mais acessível…”. Sim, essa é uma das inúmeras condições em que o possível se sobrepõe ao ideal.

“Eu queria aquela mansão, de vários quartos e com piscina. Contudo, meu orçamento só permite adquirir essa aqui, mais popular, modesta”. Outro caso em que o possível tolhe o ideal.

Enfim, muitas outras situações similares surgem constantemente. E, diante disso, penso que devemos valorizar sempre o possível, pois ele espelha nossa verdadeira realidade, enquanto o ideal mostra-se como algo difícil de atingir, irreal, utópico.

Acima de tudo, acredito que devemos valorizar o que possuímos, um possível que, sendo honestos conosco mesmos, pode se tornar o ideal, pelo menos naquele momento em que estejamos passando.

O que acham disso?

Para bem comemorar o Dia das Mães, uma sugestão alusiva à data: “Era uma vez um coração partido” (Stephanie Garber). Nessa obra, a autora apresenta um universo de amor e maldições, revelando até onde as pessoas vão para atingir um final feliz. Com isso, era uma vez um coração partido, em uma fantasia que une romance e muita magia.

Bom final de semana!

 

Deixe seu comentário

Acesse nosso grupo de notícias