Menu Lange
Menu Direita

Diário da Pandemia – 604º dia:

1 Bilhete | 1 Bilhete com Fabiane Padova | 13/11/2021 18:50
Diário da Pandemia – 604º dia:
Compartilhar no Whatsapp
Visualizações: 1918

Mais uma semana marcada por bons e maus acontecimentos. Entre os bons, destaque para a manutenção das atividades físicas e de fisioterapia (vencendo a terrível preguiça). E entre os maus, a notícia médica de que ainda não estou recuperado do problemático conjunto braço/quadril, necessitando, por isso, reforçar a confiança e a paciência. No final das contas, são atribulações que preciso passar, reunindo, por outro lado, cada vez mais forças para prosseguir.

A nossa vida é permeada por constantes desafios, de todas as ordens e em todas as áreas em que nos propusemos atuar. Assim, necessitamos, diuturnamente, estar fortalecidos para o que virá. Nesse sentido, penso que devemos “lutar sempre, desistir nunca”.

Muito mais do que palavras vãs, a ideia de lutar sempre, desistir nunca nos acompanha desde o momento em que nascemos até aquele fatal, em que deixamos este plano para passar a uma outra realidade.

Por isso, cada vez mais penso que não podemos, nunca, nos entregar aos maus momentos, como aqueles a que fiz referência no início do texto. A luta, muito mais do que um slogan de guerreiros, é a vida em si, pulsante, vibrante e passível de inúmeras reviravoltas.

Nesse ponto, confesso que fico muito sensibilizado e admirado (ao mesmo tempo) com as histórias de superação que, volta e meia, estão nas redes sociais. É o sujeito que venceu a batalha contra o câncer, o outro que conquistou sua casa própria, o jovem que passou em um vestibular ou concurso muito difícil e por aí vai.

Efetivamente, por isso e muitas outras situações, não podemos desistir nunca. A esperança e a fé devem nos acompanhar. Acima de tudo, ainda, sinto que uma força maior (Deus) está nos acompanhando nos momentos mais desafiantes da vida.

Leiamos um pouco mais: “Shakespeare e os Beatles” (José Roberto de Castro Neves). Ao aproximar as produções de dois marcantes gênios da cultura, o autor analisa, a partir do padrão de amadurecimento artístico e pessoal de ambos, até onde a criatividade humana pode chegar.

Bom final de semana!

 

Deixe seu comentário

Acesse nosso grupo de notícias